terça-feira, 28 de agosto de 2012

Dilma terá que rifar Lobão para desligar Sarney do setor elétrico

    Dilma Rousseff prestou um inestimável serviço a Renan Calheiros. Opondo-se ao retorno dele ao comando do Senado, deixou-o a um passo do regresso. Escolhido pelo Planalto para suceder José Sarney na presidência do Senado em fevereiro de 2013, Edison Lobão saiu de cena de fininho. O padrinho Sarney alinhou-se com Renan.
    Na vereda que abriu em direção ao controle do Senado, Renan cavalga a tese segundo a qual Dilma embrulhou para Sarney um presente de grego. Quer que o afilhado do morubixaba do PMDB o suceda não para homenageá-lo, mas para tomar dele o Ministério de Minas Energia, seu feudo desde o reinado de Lula.
    Há cinco meses, o segundo de Lobão no ministério, Márcio Zimmermann, filiou-se ao PMDB. Engenheiro eletricista ligado a Dilma, ele seria promovido de secretário-executivo a ministro antes do Natal. Agora, se quiser desligar Sarney da tomada do setor elétrico, Dilma terá de demitir Lobão. Algo que o PMDB duvida que ela fará.
    Assim, cinco anos depois de ter renunciado à presidência para não ser cassado, Renan equipa-se para voltar. Junto com ele, voltará o noticiário sobre as razões da renúncia. Entre elas a denúncia de que custeava com verbas de uma empreiteira as despesas de um filho tido fora do casamento. Tudo isso nas pegadas da cassação de Demóstenes Torres.
Do Jornal Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário